Intro

Bem vindo ao blog Cuiqueiros, um espaço exclusivamente dedicado à cuica – instrumento musical pertencente à família dos tambores de fricção – e aos seus instrumentistas, os cuiqueiros. Sua criação e manutenção são fruto da curiosidade pessoal do músico e pesquisador Paulinho Bicolor a respeito do universo “cuiquístico” em seus mais variados aspectos. A proposta é debater sobre temas de contexto histórico, técnico e musical, e também sobre as peculiaridades deste instrumento tão característico da música brasileira e do samba, em especial. Basicamente através de textos, vídeos e músicas, pretende-se contribuir para que a cuica seja cada vez mais conhecida e admirada em todo o mundo, revelando sua graça, magia, beleza e mistério.

(To best view this blog use the Google Chrome browser)

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

A cuica no jazz

Salve, salve gente boa!

Todos nós sabemos que a cuica é um instrumento típico do samba e sabemos também que o samba é uma das maiores, se não a maior, referência musical do Brasil diante do mundo. Ao ser admirado por pessoas em diversos países, houve durante esse tempo todo um diálogo entre o samba e outros gêneros musicais... Foi justamente isso que aconteceu com o jazz, por exemplo. Podemos dizer que o samba e o jazz possuem a mesma origem, que surgiram fundamentalmente da criatividade dos negros, mas também com certa influência da música européiaA bossa-nova é o melhor caso para exemplificar os resultados gerados pelas influências entre o jazz e o samba. Mas onde a cuica entra nessa história toda? Pois então... Encontrei alguns registros que nos provam que ela também está presente no universo do jazz.


Essa imagem aqui em cima é a capa de um livro chamado JAZZ – History ▪ Instruments ▪ Musicians ▪ Recordings, de autoria de John Fordham e publicado pela editora Dorling Kindersley. Eu tenho este livro... Peguei ele na estante um dia desses e pensei comigo - “será que aqui fala alguma coisa sobre cuica?”. Para minha enorme surpresa, estava lá, na página 74, a cuica! Na verdade, essa página é dedicada a alguns instrumentos sul-americanos, caribenhos, asiáticos e africanos, que foram introduzidos no jazz para uma opção de novos sons. O músico que faz a apresentação desses instrumentos no livro é o sensacional Naná Vasconcelos. Quem ainda não o conhece, deveria conhecer... Não sei se ele toca cuica, mas no berimbal ele brinca!


Essa aí é a tal página que falei. Ampliei a parte que fala sobre cuica, que está à direita e diz mais ou menos o seguinte: 

A cuica é um tambor de fricção brasileiro. Há uma vareta anexada dentro da pele, que o percussionista esfrega com um pano umedecido, aplicando pressão sobre a pele, criando um gemido vocalizado, caracterizado muitas vezes neste processo.

Acho essa definição interessante porque chama a cuica de tambor, porém não diz que é percussão, mas sim um instrumento de fricção, conforme dito na postagem Cuica é percussão?. Interessante também quando fala do "gemido vocalizado", pois o som da cuica realmente é muito parecido com um gemido de animal e até mesmo da voz humana. Mas enfim, o fato é que a sonoridade da cuica é única, absolutamente peculiar!

O segundo exemplo de que falei sobre a presença da cuica no universo do jazz é um músico de Nova York que conheci no ano passado durante o 5º Festival Amazonas Jazz, que aconteceu em Manaus... Estava assistindo a apresentação de uma cantora chamada Carla Cook e num determinado momento do show o percussionista da banda sacou uma cuica e mandou ver! Não acreditei!!! Assim que o show acabou, fui ao camarim para conhecê-lo... o nome dele é Steven Kroon. Muito gente boa! Me mostrou a cuica que ele usa, uma Contemporânea antiguinha de oito polegadas. Conversamos um pouco e ele até me deu um disco seu, que inclusive tem uma faixa onde ele toca cuica chamada Brazilian Sugar, que em português fica Doçura Brasileira, ou algo assim. O autor é George Duke.

Steven Kroon tocando cuica
Essa música, Brazilian Sugar, é mais uma "bossa-jazz" do que um jazz propriamente dito. Separei o trecho com  o Steven tocando cuica, mas quem quiser ouvir a música inteira é só clicar aí no título dela.



Encontrei outra música onde a cuica também está "batendo uma bola" com o jazz, mas dessa vez o cuiqueiro é ninguém mais ninguém menos do que Fritz Escovão! É minha gente, olha o homem aí! O título da música é Rocking with Mocotó - em português, Balanço com Mocotó - e foi gravada em 1974, mas só foi lançada em disco recentemente, pela Biscoito Fino... o nome do disco já diz tudo: Dizzy Gillespie no Brasil com Trio Mocotó. A maioria dos seguidores já devem conhecer o Trio Mocotó, pois afinal, era o grupo do Fritz Escovão, um dos maiores virtuoses da cuica. Já o Dizzy Gillespie, esse foi uma das figuras mais importantes da história do jazz e era apaixonado pela música brasileira, tanto é que compôs essa música, que podemos considerar um "samba-jazz".



Pra finalizar, um vídeo! São imagens de um famoso programa da TV norte-america com a apresentação de uma orquestra interpretando a música Soul Bossa Nova, de Quincy Jones. Essa música é bastante conhecida e é mais uma prova da reverência dos compositores de jazz com a música brasileira... e é claro, com a presença de uma cuica, para a nossa felicidade! O nome desse cuiqueiro é Paulinho da CostaReparem o quanto sua cuica se destaca dos demais instrumentos!


5 comentários:

  1. DE FATO É UMA MARAVILHA!!!! EU SEMPRE IMAGINEI SER CUIQUEIRO E APROVEITAR A CUÍCA NA INTRODUÇÃO DE OUTROS RÍTIMOS, ALÉM DO SAMBA. NO FUNK E EM ALGUNS BLUES FICA MARAVILHOSO. FIQUEI CONTENTE COM O QUE EU ACABEI DE OUVIR NESSE BLOG, MATANDO UM POUCO A MINHA CURIOSIDADE.
    UM GRANDE ABRAÇO PRÁ FAMÍLIA CUÍQUEIRA
    G. J. SHAFT KINGS

    ResponderExcluir
  2. Conhece isso, Paulinho?

    http://vimeo.com/15244349

    Abs

    ResponderExcluir
  3. Interessante heim Bernardo!
    Por essa eu não esperava... rs

    Valeu!

    ResponderExcluir
  4. Muito bacana o trabalho Paulo!
    Wesley

    ResponderExcluir
  5. Já tinham visto esse?

    https://www.youtube.com/watch?v=hMYVvjoXf4o

    abraços!

    ResponderExcluir