Intro

Bem vindo ao blog Cuiqueiros, um espaço exclusivamente dedicado à cuica – instrumento musical pertencente à família dos tambores de fricção – e aos seus instrumentistas, os cuiqueiros. Sua criação e manutenção são fruto da curiosidade pessoal do músico e pesquisador Paulinho Bicolor a respeito do universo “cuiquístico” em seus mais variados aspectos. A proposta é debater sobre temas de contexto histórico, técnico e musical, e também sobre as peculiaridades deste instrumento tão característico da música brasileira e do samba, em especial. Basicamente através de textos, vídeos e músicas, pretende-se contribuir para que a cuica seja cada vez mais conhecida e admirada em todo o mundo, revelando sua graça, magia, beleza e mistério.

(To best view this blog use the Google Chrome browser)

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Água de cuica

Hoje é 1º de abril, dia da mentira, e para comemorar essa data, nada melhor do que falar sobre a famosa “água de cuica”.


Me contaram essa história mais ou menos assim: 

Reza a lenda que antigamente, quando um cuiqueiro tinha a oportunidade de viajar para outro país, sabendo que provavelmente algum gringo desejaria comprar a sua cuica, ele levava na bagagem uma ou mais cuicas extras, justamente para serem vendidas. A questão é que durante a negociação da venda o cuiqueiro utilizava uma estratégia um tanto quanto duvidosa, mas que no fim das contas funcionava direitinho.

Primeiro, o gringo se impressionava com o cuiqueiro tocando aquele instrumento diferente e após a apresentação, como previsto anteriormente, ele se mostrava interessado em comprar a cuica e perguntava por quanto o cuiqueiro lhe venderia. O cuiqueiro dizia um valor baixo, apenas uns 50 dólares, ou algo assim. O gringo ficava entusiasmado em conseguir a cuica por um preço tão barato e comprava na hora! Em seguida, perguntava: mas como faz pra tocar? E aí o cuiqueiro jogava a carta escondida na manga, dizendo o seguinte: bom, pra tocar cuica você precisa do pano e da água. Essa água serve para molhar o pano e sem ela é impossível tocar! O gringo ficava ainda mais fascinado com o exótico instrumento que acabara de comprar e perguntava se o cuiqueiro não poderia lhe vender o pano e a água também. Este, por sua vez, com toda sua malandragem e sapiência, dizia que sim e completava: olha meu amigo, essa água é a “água de cuica”... uma água especial! Se quiser, te vendo o pano e a água por mais 500 dólares. Mas é como te falei, essa é verdadeira “água de cuica”, e das boas... Daí, surpreso com essa novidade, mas sem encontrar outra saída por já ter adquirido a cuica, o gringo se via obrigado a cair na história do cuiqueiro e pagar também pela água e o pano.  

Meus amigos, se um dia alguém de vocês já comprou “água de cuica”, não faça mais isto! “Água de cuica” não existe e nunca existiu! Faço esse alerta porque sei que ainda tem gente se utilizando dessa prática por aí... e não só no exterior, mas também aqui no Brasil. O pior, é que tem gente que acredita... 

7 comentários:

  1. muito boa meu parceiro como sempre mandando muito bem forte abraço e parabéns

    ResponderExcluir
  2. também já ouvi essa história de água de cuica na marquês de sapucai,nos anos 80.

    Milton Soares

    ResponderExcluir
  3. Pra tocar minha cuíca bem legal ainda prefiro a água que passarinho não bebe...

    ResponderExcluir
  4. Eu já uso Querosene que evapora desliza melhor e não molha o couro da pele.

    ResponderExcluir
  5. Voltando ao blog depois de um tempão afastado e lendo a história das água da cuíca, aconteceu comigo em uma roda de samba num bar aqui em Brasília. Durante o intervalinho entre um samba e outro tirei da bolsinha do case da minha cuíca a garrafinha com água para molhar o pano.
    Tirei também minha garrafinha de metal onde sempre levo minha pinguinha ou meu uisquinho para molhar a palavra de vez em quando. Aí uma senhora olhou atentamente minha ação de molhar o pano com a garrafinha de plástico e mandou a pergunta: o quê é isso? É água, minha senhora. Mas pra quê? Bem, precisa molhar o paninho da cuíca de vez em quando senão ele seca e não dá pra tocar. É a água da cuíca. Tá, mas e essa outra garrafinha de metal? Aí abri e dei pra ela cheirar o líquido. Ué, mas é cachaça? Pois é madame, essa é a água do cuiqueiro. É pra molhar a goela de vez em quando senão seca e não dá pra cantar.....A madame saiu meio achando que tinha levado uma gozação.....

    ResponderExcluir
  6. kkkkkkk, muito boa história! Os dois tem que ter água pra tocar sempre!!!

    ResponderExcluir
  7. Brinco com minha cuíca aqui nuns pagodesinho de fim de semana jà usei querosene mais como estou toda hora molhando a palavra procurei usar mesmo água pois a mão não fica com cheiro nenhum.Paulinho Niterói.

    ResponderExcluir